Questões

Total de Questões Encontradas: 60

Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
É preciso corrigir, por falhas diversas, a seguinte frase:
A
Quem ouve mal não tem necessariamente mau ouvido; pode ter sido afetado pelo desconhecimento de um contexto determinado. 
B
Quem não destorce o que ouviu de modo torto acaba por permanecer longe do caminho reto da compreensão. 
C
Pelos sons exóticos das palavras, nos impregnamos da melodia poética a cujo encanto se rendem, imantados, os nossos ouvidos. 
D
Há sons indiscrimináveis, como os que se apanha do rádio mau sintonizado ou de uma conversa aliatória, entre terceiros.
E
É possível elaborar-se uma longa lista de palavras e expressões em cuja recepção sonora verificam-se os mais curiosos equívocos. 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
É correto afirmar que, ao se valer da expressão
A
sobretudo quando decifram (...) pela pura sonoridade, o autor se refere exclusivamente ao equívoco causado pela recepção dos sons.
B
Ganhei uma gargalhada em resposta, o autor não deixa entrever qual teria sido a pergunta.
C
uma tal de dona Quiçás, o autor faz ver que o ouvinte se confundiu por não conhecer a personagem.
D
Neila Torraca, o autor se vale de um equívoco de audição inteiramente distinto do que ocorreu em Fulano Detal.
E
Menino pequeno, o autor torna implícito a ela um sentido de temporalidade
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Está INADEQUADO o emprego do elemento sublinhado na frase:
A
A traição a que por vezes está sujeita nossa audição pode ter resultados divertidos.  
B
Os sons das palavras, a cujos poucas vezes dedicamos plena atenção, podem ser bastante enganosos.
C
A melodia e o ritmo de uma frase, em cujo embalo podemos nos equivocar, valem pelo efeito poético.
D
E afinal, por onde andará dona Ondirá, senhora misteriosa de quem o leitor foi fã cativo, quando menino? 
E
E dona Quiçás, a quem Nat King Cole jamais teve a honra de ser apresentado, morará ainda em Madri? 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Com base nos casos narrados no texto, é correto afirmar que, por vezes, entre a palavra e o ouvido,  
A
ocorre um tipo de interferência no modo de recepção que distorce inteiramente o sentido original da mensagem. 
B
uma falha do aparelho auditivo deforma o som captado, levando o receptor a entender outra coisa.
C
a mensagem original se perde porque se ouve uma expressão já adulterada pela má pronúncia de terceiros. 
D
buscamos reconhecer uma sonoridade apenas por seu efeito acústico, sem lhe emprestar nenhum sentido. 
E
nossa capacidade criativa faz com que recusemos sons muito usuais, substituindo-os por outros, mais exóticos. 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
(É que talvez os relevos dos grandes sentimentos humanos só se deixem mesmo apalpar pelo avesso: a falta permite, mais facilmente, sondar a profundidade do pleno, a dor, do contentamento.)

Atente para as afirmações seguintes sobre a pontuação empregada na frase acima, transcrita do 1o parágrafo do texto.

 I. O uso dos parênteses para isolar a frase justifica-se por se tratar de uma digressão que, embora relacionada à reflexão feita no parágrafo, interrompe momentaneamente o fluxo do pensamento.  
 II. Os dois-pontos introduzem um segmento que constitui, de certo modo, uma ressalva ao que se afirma no segmento imediatamente anterior.  
 III. As vírgulas que isolam o segmento mais facilmente poderiam ser retiradas sem prejuízo para a correção e a lógica.

Está correto o que se afirma em
A
I, apenas. 
B
I e II, apenas. 
C
I e III, apenas. 
D
II e III, apenas. 
E
I, II e III. 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
O sentido do elemento grifado NÃO está expresso adequadamente, entre parênteses e em negrito, ao final da transcrição em:
A
... ou mesmo o Fédon de Platão e seu relato pungente da morte de Sócrates. (sereno)
B
Com ele a grandeza daquelas amizades se expande num elemento mais vasto, desafia a moderação, vai ao superlativo. (ponto mais alto)
C
... os sentimentos vitais, contentes e continentes, poucas vezes, enquanto vigem, dublam-se em reflexão e discurso. (vigoram)
D
Com efeito, ao pensarmos nos grandes textos sobre a amizade, vêm-nos de imediato à lembrança a bela dissertação... (memória
E
Com efeito, ao pensarmos nos grandes textos sobre a amizade, vêm-nos... (De fato)
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Dentre as características da dissertação de Montaigne que podem ser apreendidas do texto, é correto mencionar: 
A
A tendência ao misticismo, inteiramente ausente dos relatos de seus predecessores, mesmo o de Santo Agostinho.
B
A opção por um relato mais imponente e vigoroso, em lugar do tom comedido que seus predecessores adotam. 
C
O predomínio da imaginação, o que permite incluir o relato antes no campo da ficção, ainda que sublime, do que no da memória.
D
Um radicalismo político extremado, que não tem lugar nos relatos politicamente inócuos de seus predecessores.
E
A ausência do tema da morte, onipresente nos textos de seus predecessores, o que faz do relato uma verdadeira celebração da vida. 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Com a comparação feita no início do texto, o autor sugere que
A
a felicidade é uma quimera tanto para o indivíduo quanto para os povos, o que é comprovado pelas memórias individuais e pelos registros históricos.
B
o indivíduo tem em comum com um povo o hábito de não refletir sobre os acontecimentos senão nos momentos de maior felicidade.
C
a história de indivíduos e povos é uma oscilação constante entre momentos de felicidade e momentos de dor.
D
o sentimento de amizade que une os indivíduos não é diferente daquele que unifica um povo, vínculo responsável pela felicidade de todos.
E
os períodos de felicidade, ao contrário dos momentos de dor, não costumam ser registrados nem pelos povos, nem pelos indivíduos.
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
... dia em que a circulação duplicava.

O verbo flexionado nos mesmos tempo e modo em que se encontra o grifado acima está em:
A
... e já fez muitas moçoilas e rapazes barbados chorarem.
B
... editaria a obra às próprias custas ... 
C
... a produção jornalística é pouco divulgada.
D
Macedo era mesmo um agitador.
E
Nosso escritor usaria de suas boas relações ... 
Ano: 2012 Banca: FCC Órgão: TJ-RJ Prova: Analista Judiciário - Analista de Sistemas
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
A despeito do sucesso, o ganha-pão do escritor seria obtido...

O elemento grifado acima pode ser corretamente substituído, sem alteração do sentido original, por 
A
Em razão do 
B
Conquanto o  
C
Em que pese o
D
Em vista do
E
A partir do
Página 1 de 6