Questões

Total de Questões Encontradas: 60

Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Transpondo-se para a voz passiva a frase Sempre haverá quem rejeite a interferência do Estado nas questões religiosas, mantendo-se a correta correlação entre tempos e modos verbais, ela ficará:
A
Terá havido sempre quem tem rejeitado que o Estado interferisse nas questões religiosas.
B
A interferência do Estado nas questões religiosas sempre haverá de ser rejeitada por alguém.
C
Sempre haverá de ter quem rejeite que o Estado interferisse nas questões religiosas.
D
A interferência do Estado nas questões religiosas sempre tem encontrado quem a rejeita.
E
As questões religiosas sempre haverão de rejeitar que o Estado venha a interferir nelas.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
A pontuação está plenamente adequada no período:
A
Muito se debate, nos dias de hoje, acerca do espaço que o ensino religioso deve ou não ocupar dentro ou fora das escolas públicas; há quem não admita interferência do Estado nas questões de fé, como há quem lembre a obrigação que ele tem de orientar as crianças em idade escolar.
B
Muito se debate nos dias de hoje, acerca do espaço, que o ensino religioso deve ou não ocupar dentro ou fora das escolas públicas: há quem não admita interferência do Estado, nas questões de fé, como há quem lembre, a obrigação que ele tem de orientar as crianças em idade escolar.
C
Muito se debate nos dias de hoje, acerca do espaço que o ensino religioso, deve ou não ocupar dentro ou fora das escolas públicas, há quem não admita interferência do Estado nas questões de fé, como há quem lembre a obrigação: que ele tem de orientar as crianças em idade escolar.
D
Muito se debate, nos dias de hoje, acerca do espaço que o ensino religioso deve, ou não, ocupar dentro, ou fora, das escolas públicas; há quem não admita interferência, do Estado, nas questões de fé; como há quem lembre a obrigação, que ele tem de orientar as crianças em idade escolar.
E
Muito se debate, nos dias de hoje acerca do espaço que o ensino religioso deve, ou não, ocupar dentro ou fora das escolas públicas: há quem não admita interferência do Estado, nas questões de fé, como há quem lembre, a obrigação, que ele tem de orientar as crianças, em idade escolar.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
(...) ele afirma que não faz sentido nem obrigar uma pessoa a rezar nem proibi-la de fazê-lo.

Mantém-se, corretamente, o sentido da frase acima substituindo-se o segmento sublinhado por:
A
nem impor a alguém que reze, nem impedi-la de fazer o mesmo.
B
deixar de obrigar uma pessoa a rezar, ou lhe proibir de o fazer.
C
seja obrigar que uma pessoa reze, ou mesmo que o deixe de o praticar.
D
coagir alguém a que reze, ou impedi-lo de o fazer.
E
forçar uma pessoa para que reze, ou não fazê-la de modo algum.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
O Estado deve ficar fora das atividades de que o setor privado já dá conta.

A nova redação da frase acima estará correta caso se substitua o elemento sublinhado por
A
a que o setor privado já vem colaborando.
B
com as quais o setor privado já vem cuidando.
C
nas quais o setor privado já vem interferindo.
D
em cujas o setor privado já vem demonstrando interesse.
E
pelas quais o setor privado já vem administrando.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
A concordância verbal está plenamente observada na frase:
A
Provocam muitas polêmicas, entre crentes e materialistas, o posicionamento de alguns religiosos e parlamentares acerca da educação religiosa nas escolas públicas.
B
Sempre deverão haver bons motivos, junto àqueles que são contra a obrigatoriedade do ensino religioso, para se reservar essa prática a setores da iniciativa privada.
C
Um dos argumentos trazidos pelo autor do texto, contra os que votam a favor do ensino religioso na escola pública, consistem nos altos custos econômicos que acarretarão tal medida.
D
O número de templos em atividade na cidade de São Paulo vêm gradativamente aumentando, em proporção maior do que ocorrem com o número de escolas públicas.
E
Tanto a Lei de Diretrizes e Bases da Educação como a regulação natural do mercado sinalizam para as inconveniências que adviriam da adoção do ensino religioso nas escolas públicas.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto: O articulista da Folha de S. Paulo
A
propugna de que tanto o liberalismo quanto o ateísmo podem convergir, para propiciar a questão do ensino público da religião.
B
defende a tese de que não cabe ao Estado, inclusive por razões econômicas, promover o ensino religioso nas escolas públicas.
C
propõe que se estenda à bancada religiosa a decisão de aceitar ou rejeitar, segundo seus interesses, o ensino privado da religião.
D
argumenta que no caso do ensino religioso, acatado pelos liberais, não se trata de ser a favor ou contra, mas arguir a real competência.
E
insinua que o ensino público da religião já se faz a contento, por que as emissoras de comunicação intentam-no em grande escala.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente um segmento em:
A
A declaração do prelado vem como crítica (1o parágrafo) = o pronunciamento do dignitário eclesiástico surge como censura
B
Admitamos, para efeitos de argumentação (2o pa- rágrafo) = Consignemos, a fim de especulação
C
sejam desde cedo expostos ao ensino religioso (2o parágrafo) = venham prematuramente a expor-se no ensino clerical
D
onipresentes em rádios (3o parágrafo) = discriminadas por emissoras de rádio
E
não poderia representar ônus (5o parágrafo) = implicaria que se acarretasse prejuízo
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Pode-se inferir, com base numa afirmação do texto, que
A
o ensino religioso demanda profissionais altamente qualificados, que o Estado não teria como contratar.
B
a bancada religiosa, tal como qualificada no último parágrafo, partilha do mesmo radicalismo de Dom Tarcísio Scaramussa.
C
as instituições públicas de ensino devem complementar o que já fazem os templos, a exemplo do que ocorre na cidade de São Paulo. 
D
o aprendizado de uma religião não requer instrução tão especializada como a que exigem as ciências exatas.
E
os membros da bancada religiosa, sobretudo os libe- rais, buscam favorecer o setor privado na implementação do ensino religioso.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
Atente para estas afirmações:

I. Ao se declarar um cidadão ao mesmo tempo ateu e liberal, o autor enaltece essa sua dupla condição pessoal valendo-se do exemplo da própria CNBB.
II. A falta de oportunidade para se acessarem mensagens religiosas poderia ser suprida, segundo o autor, pela criação de redes de comunicação voltadas para esse fim.
III. Nos dois últimos parágrafos, o autor mostra não reconhecer nem legitimidade nem prioridade para a implementação do ensino religioso na escola pública.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
A
I, II e III.
B
I e II, apenas.
C
II e III, apenas.
D
I e III, apenas.
E
III, apenas.
Texto Associado Texto Associado
Imagem Associada da Questão
No que diz respeito ao ensino religioso na escola pública, o autor mantém-se
A
esquivo, pois arrola tanto argumentos que defendem a obrigatoriedade como o caráter facultativo da implementação desse ensino.
B
intransigente, uma vez que enumera uma série de razões morais para que se proíba o Estado de legislar sobre quaisquer matérias religiosas.
C
pragmático, já que na base de sua argumentação contra o ensino religioso na escola pública estão razões de ordem jurídica e econômica.
D
intolerante, dado que deixa de reconhecer, como ateu declarado, o direito que têm as pessoas de decidir sobre essa matéria.
E
prudente, pois evita pronunciar-se a favor da obriga- toriedade desse ensino, lembrando que ele já vem sendo ministrado por muitas entidades.
Página 6 de 6