Questões

Total de Questões Encontradas: 4.158

Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Suponha que um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação tenha sido vítima de um cracker que invadiu seu computador e furtou dados importantes. Pode ter contribuído para o ocorrido, o fato de o Auditor
A
não abrir anexos de e-mails inesperados e provenientes de remetentes desconhecidos.
B
só responder solicitações de dados pessoais por e-mail após confirmar que foram remetidas por pessoas confiáveis.
C
ter fornecido informações pessoais em sites autênticos que tenham "https" no endereço ou um ícone de cadeado na parte inferior do navegador.
D
usar um firewall para bloquear solicitações não requisitadas de comunicação de saída.
E
desinstalar atualizações de produtos e patches de segurança antes de usar a Internet.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação fez um backup completo de dados da organização, efetuado na noite de segunda-feira. Nas noites posteriores à segunda-feira foi efetuado um backup cumulativo (ou diferencial). Na terça-feira, o arquivo 4 foi acrescentado e nenhum dado foi modificado desde o backup completo. Na quarta-feira, o arquivo 5 foi acrescentado, e na quinta-feira, o arquivo 6 foi acrescentado. Na manhã de sexta-feira, houve a corrupção de dados, exigindo a restauração dos dados utilizando as cópias de backup. Nestas condições, o Auditor deverá restaurar
A
backup completo realizado na noite de segunda-feira e cada backup cumulativo executado a partir desse dia.
B
somente o backup completo realizado na noite de segunda-feira.
C
os dados a partir do backup completo da noite de segunda-feira e, em seguida, restaurar o último backup cumulativo, realizado na noite de quinta-feira.
D
somente o backup cumulativo realizado na noite de quinta-feira.
E
somente os backups cumulativos realizados nas noites de terça, quarta e quinta-feira.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação foi incumbido de identificar quais unidades, operações e processos de negócios são essenciais para a sobrevivência da organização e avaliar os impactos financeiros, operacionais e de serviços de uma interrupção nesses processos. Deverá, inicialmente, avaliar as áreas funcionais selecionadas para determinar a resistência da infraestrutura para suportar a disponibilidade de informações. Ao final, deverá construir um relatório detalhando os possíveis incidentes e seus impactos (dinheiro ou tempo) nas funções de negócios. Com base nestes impactos potenciais associados à inatividade, a organização irá priorizar e implementar contramedidas para diminuir os riscos de tais interrupções e detalhar estas contramedidas no Plano de Continuidade de Negócio. O trabalho que o Auditor executou constitui o que é chamado de
A
Compliance Analysis - COMA.
B
Business Impact Analysis BIA.
C
Vulnerability Analysis VANA.
D
Vulnerability Operacional Analysis VOA.
E
Business Process Management - BPM.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação está trabalhando no desenvolvimento de um portal corporativo e deseja desenvolver componentes webreutilizáveis que possam ser agregados (ou plugados) a outras páginas do portal. Estes componentes serão como adaptadores que, depois de prontos, permitirão ao portal integrar uma variedade de fontes de conteúdo e serviços. Os componentes que melhor atendem à necessidade do Auditor são os conhecidos
A
facelets.
B
web services.
C
map applets.
D
portlets.
E
bootstraps.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação observou que na organização onde trabalha há uma grande quantidade de softwares que necessitam validar e inserir informações de contribuintes na base de dados. Cada um destes softwares é mantido por um prestador de serviços diferente e foi escrito em linguagens de programação distintas. Pensando em uma arquitetura voltada a serviços, o Auditor recomendou corretamente a criação de um
A
Enterprise Java Bean para incluir os dados dos contribuintes usando um serviço CORBA para validar os dados de entrada.
B
método para validar e incluir contribuintes em cada aplicação, usando a mesma lógica de validação e inclusão de dados.
C
serviço RESTful usando o protocolo SOAP para manter informações de estado nas chamadas ao serviço, permitindo, assim, a consistência de estado na validação dos dados de entrada do contribuinte.
D
portlet para que cada software possa converter os dados dos contribuintes para um formato XML padrão e validá-los com base na mesma lógica centralizada.
E
web service para validar e incluir contribuintes, de forma que os demais softwares possam simplesmente consumir esse serviço de maneira adequada.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação está participando da implantação de um sistema de Gestão Eletrônica de Documentos - GED na organização onde trabalha. Nesse processo, ele percebeu que o GED NÃO
A
suporta a criação de um histórico da vida do documento. Quando o documento é modificado ou revisado mais de uma vez, apenas a última versão do documento é mantida.
B
permite o uso de metadados, dificultando o uso de uma taxonomia, árvore de arquivos categorizados ou regra de nomenclatura padronizada.
C
permite a atribuição de níveis de acesso/permissionamento, fazendo com que qualquer pessoa de qualquer área possa realizar todos os tipos de operações nos documentos disponíveis.
D
garante o anonimato de acesso, pois é possível ligar rotinas de auditoria nos arquivos para saber quem acessou certo conteúdo, o que dá confiabilidade ao processo.
E
possibilita que documentos sejam consultados por mais de uma pessoa ao mesmo tempo, apesar de estarem disponíveis para toda a organização.
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Texto Associado Texto Associado
Um Auditor Fiscal da área de Tecnologia da Informação possui um conjunto de valores numéricos, em ordem crescente, e deseja localizar o valor 66, mostrando a respectiva posição deste valor no conjunto. Sabendo que a posição dos valores começa em 0, criou o algoritmo abaixo, em JavaScript. 
Imagem Associada da Questão
Para o auditor conseguir o que deseja, a lacuna I deve ser corretamente preenchida com o comando
A
if (v[m] > x) var e = m
B
if (v[d] >= x) var e = m
C
if (v[m] <= x) var e = m
D
if (v[d] < x) var e = m
E
if (v[m] < x) var e = m
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Texto Associado Texto Associado
Considere o fragmento de código JavaScript a seguir que utiliza programação orientada a objetos.
Imagem Associada da Questão
Para definir a classe, a lacuna I deve ser corretamente preenchida por: 
A
public class Contribuinte(nome)
B
class Contribuinte(nome)
C
var Contribuinte = function(nome)
D
public Contribuinte = function(nome)
E
default class Contribuinte = function(nome)
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Em uma página web criada com HTML5 e CSS3 há 3 contêineres com nome de classe caixa, criados com a tag div. Criou-se para estes contêineres a seguinte configuração CSS. 
Imagem da Questão
Para que os contêineres sejam posicionados um ao lado do outro horizontalmente deve-se adicionar ao bloco CSS acima a instrução
A
position: side -by-side;
B
box-position: left;
C
position: relative;
D
align: side-by-side;
E
float: left;
Ano: 2019 Banca: FCC Órgão: SEFAZ-BA Prova: Auditor Fiscal - Tecnologia da Informação
Em um banco de dados aberto e em condições ideais há uma tabela chamada Contribuinte cuja chave primária é idContribuinte. Há também uma tabela chamada Imposto cuja chave primária é idimposto. Para criar uma tabela de associação chamada Contribuinte_imposto cuja chave primária é composta pelos campos idContribuinte e idImposto, que são chaves estrangeiras resultantes da relação dessa tabela com as tabelas Contribuinte e Imposto, utiliza-se a instrução SQL
A
CREATE TABLE Contribuinte_Imposto(idContribuinte INT, idImposto INT, PRIMARY KEY (idContribuinte), FOREIGN KEY (idContribuinte) REFERENCES Contribuinte (idContribuinte), PRIMARY KEY (idImposto), FOREIGN KEY (idContribuinte) REFERENCES Contribuinte (idContribuinte));
B
CREATE TABLE Contribuinte_Imposto(idContribuinte INT NOT NULL, idImposto INT NOT NULL, PRIMARY KEY (idContribuinte, idImposto), CONSTRAINT fk1 FOREIGN KEY (idContribuinte) REFERENCES Contribuinte (idContribuinte), CONSTRAINT fk2 FOREIGN KEY (idImposto) REFERENCES Imposto (idImposto));
C
CREATE TABLE Contribuinte_Imposto(idContribuinte INT NOT NULL, idImposto INT NOT NULL, PRIMARY KEY (idContribuinte, idImposto), FOREIGN KEY (idContribuinte) SOURCE Contribuinte (idContribuinte), FOREIGN KEY (idImposto) SOURCE Imposto (idImposto));
D
CREATE TABLE Contribuinte_Imposto(idContribuinte INT NOT NULL, idImposto INT NOT NULL, PRIMARY KEY (idContribuinte, idImposto), FOREIGN KEY (idContribuinte, idImposto) REFERENCES (Contribuinte!idContribuinte, Imposto!idImposto));
E
CREATE TABLE Contribuinte_Imposto(idContribuinte INT NOT NULL, idImposto INT NOT NULL, PRIMARY KEY (idContribuinte, idImposto), FOREIGN KEY (idContribuinte, idImposto) REFERENCES all parents);
Página 4 de 416